joomla templates top joomla templates template joomla

manuel pires da rocha

Intervenção de Manuel Pires da Rocha na Assembleia Municipal de Coimbra, apresentado a proposta da CDU para o Convento de S. Francisco:

Cultura é direito humano, elemento central na formação da consciência, da identidade, com o seu imenso potencial de criação, liberdade, transformação e resistência.

Aqueles de quem sou porta-voz olham para o Convento de S. Francisco e vêm-lhe a utilidade maior, e natural, de poder ser ferramenta de uma política cultural municipal. Para que São Francisco possa ser peça de um território mais amplo do que aquele que ali ocupa. Várias vezes subimos a esta tribuna prontificando-nos para trabalhar por um São Francisco que não fosse elefante, nem eucalipto, nem sequer o brinquedo novo dos natais da nossa infância em que os primos não mexiam para não estragarem. Consideramos que estragar São Francisco é pô-lo a falar para dentro, é não o cruzar com a Bonifrates e a Banda de Taveiro, o Conservatório e a Escola da Noite, o CAP e a Loucomotiva, mas também o Bando e os Bonecos de Santo Aleixo, a Companhia Nacional de Bailado e a Universidade, o Teatro Nacional e a ACERT, e tudo com tudo o que mexa por esse mundo fora e mereça ser vivido.

Não queremos para São Francisco o destino da venda a retalho nem o dos altares do glamour, de resto, tão recusado foi pelos franciscanos seus fundadores. 

Nunca menosprezámos a importância de lhe definir um rumo no panorama cultural municipal. Por isso, propusemos a criação de um Conselho Municipal de Cultura, aberto à participação dos agentes culturais, capaz de gerar consensos na definição democrática das políticas municipais para a Cultura. E nunca desvalorizámos a necessidade de o sustentabilizar. Por isso propusemos o acolhimento da Coleção Miró com que Serralves, mesmo sem precisar, se acrescentou notoriedade.

São Francisco é hoje um magnífico espaço da nossa Cidade. Tem instalações, tem equipamentos, tem a simpatia de quem lá vai. Mas faltam-lhe trabalhadores livres da precariedade, orgãos de gestão livres de outro interesse que não seja o do serviço público, programação livre do casuísmo e do anúncio em cima da hora.

São Francisco merece a análise coletiva que merece um equipamento daquela dimensão e importância, porque o seu funcionamento não pode ser um empecilho guloso ao desenvolvimento de todas - e são muitas - as iniciativas culturais da Cidade e da região - amadoras e profissionais, de impacto local e de impacto nacional, dirigidas a públicos vastos e a públicos diminutos. 

Neste dias o grupo político dos Cidadãos por Coimbra fez-nos chegar uma proposta de resolução que, naturalmente, contribui para colocar em cima da mesa uma questão essencial - a da estabilização do dossiê São Francisco. Concordamos com o preâmbulo, discordamos das duas recomendações produzidas no documento, pelas razões que passo a explicitar:

A constituição de uma Empresa Municipal comporta, no ambiente legislativo atual, grandes riscos ao nível dos requisitos de Viabilidade económico-financeira e racionalidade económica e de proibição de subsídios ao investimento, estrangulando, na prática, a sua ação a favor do interesse comum, e público. Não é uma solução capaz de cumprir o papel dinamizador que se exige a um equipamento desta natureza.

 

Não vemos, igualmente, razão para que as tarefas de gestão e programação, e sobretudo esta última, não obedeçam a critérios que sejam os da operacionalização de políticas geradas pela participação comunitária. Não confiamos na fiabilidade dos currículos que, um pouco por todo o lado, erigiram os gestores programadores culturais como definidores dos gostos e das propostas, sabedores supremos do que deve e não deve ser, do que deve e não deve existir, vindos do fundo da sua coluna de sapiência semear ilustração nos cérebros dos ignaros. Não nos esquecemos ainda da sementeira de quase nada que foi a da Coimbra Capital da Cultura, a cidade o ai-jesus dos tais programadores, mas apenas o tempo de instalarem a feira das suas indústrias com os feirantes das suas preferências, e depois, nada. Gestão cultural é coisa muito maior do que os atos eleitorais e a tentação de mandar dos dignitários. Gestão cultural ou é participação dos agentes culturais, dos cidadãos em geral, votem eles como votarem, ou é tentação dirigista. A competência também um produto da História, do confronto das convicções, da discussão dos gostos, do debate das opções.

 

Dito o que acabámos de dizer, a CDU propõe a esta Assembleia a adoção de duas recomendações que coloquem, num período que é do debate aceso das propostas para a gestão política municipal, o Convento de São Francisco, enquanto instrumento de ação política, no meio das preocupações.

Assim a nossa proposta é a de recomendar:

1. à Câmara Municipal, a abertura de um período de ampla discussão pública, calendarizada, destinada a debater papel que o Convento de São Francisco deverá assumir na vida cultural do município, que o mesmo é dizer na definição de políticas municipais para a Cultura;

2. à Assembleia Municipal a convocação, em data próxima, de uma Assembleia Municipal extraordinária, dedicada à discussão dos aspetos enunciados nas duas propostas apresentadas perante esta Assembleia.

20180305 97 aniversário do PCP

 

20180100 mupi obra hidroagrícola do mondego

 

20180100 Breve Curso da História do Capitalismo

 

20180203 jantar regional com jerónimo de sousa

 

20170210_ramal_da_lous_cumpra-se_o_aprovado.png

20170100_mupi_mais_direitos_mais_futuro_nao_precariedade_1.jpg

20170100_mupi_mais_direitos_mais_futuro_nao_precariedade_2.jpg

20160910_universidade_fundao.jpg