joomla templates top joomla templates template joomla

Uma delegação do PCP com a deputada na AR, Ana Mesquita, realizou uma série de visitas dedicadas às questões da saúde, nos Concelhos de Penacova e Coimbra. No concelho de Penacova reuniu com a direcção do Centro de Saúde e com o Movimento + Saúde para o Hospital do Lorvão. No Concelho de Coimbra reuniu com dezenas de populares e com a Comissão de Utentes da Extensão de Saúde da Adémia.

20180522 Encontro com Movimento Hospital do Lorvão ana mesquita

Na visita aoCentro de Saúde de Penacova a delegação pode constatar que o edifício começa a necessitar de obras de manutenção. Apesar do Centro de Saúde ter neste momento 13650 utentes divididos por 9 médicos 9 enfermeiros e 7 auxiliares, o número de profissionaisnão permite gerir as dificuldades decorrentes de falhas por doença, principalmente quando a ausência ao serviço é prolongada. Sentem-se dificuldades ao nível de meios técnicos de apoio ao diagnóstico e, com o encerramento de algumas extensões, muitos utentes têm que fazer deslocações de vários quilómetros para o centro de saúde de Penacova ou para a extensão mais próxima, sendo importante estudar formas de deslocação das pessoas a determinado dia e hora. Foi sublinhado o facto de em Penacova existirem cerca de 2500 utentes em unidades de saúde fora do concelho e para a resistência das USF em libertarem ficheiros. A pressão governo, como forma de forçar a passagem dos Centros de Saúde para USF, faz-se sentir na maior facilidade de disponibilização de meios para as USF, em detrimento dos Centros de Saúde,e tem levado à concentração e encerramento de extensões, afastando cada vez mais os serviços de saúde do utente. O PCP assumiu o seu compromisso de intervenção e luta pela salvaguarda dos serviços de saúde de proximidade. A deputada do PCP assumiu o compromisso de questionar o governo sobre as dificuldades e os constrangimentos sentidos.

A Delegação do PCP encontrou-se com o movimento cívico, o Movimento + Saúde para o Hospital de Lorvãoque reclama a reconversão das instalações do antigo Hospital Psiquiátrico de Lorvão e a sua integração na Rede Nacional de Cuidados Continuados (RNCCI). O Movimento expôs as razões da sua reivindicação, sustentando-as nas reuniões com a população, que têm evidenciado a falta de vagas de Cuidados Continuados que é geradora de grandes perturbações familiares e profissionais. Os mais de 30 populares reunidos deram nota da petição pública que decidiram promover, que em dois meses já reuniu as 4.000 assinaturas necessárias para levar o assunto a debate na Assembleia da República, e que continua a reunir apoios. O Movimento entende que “Sendo o Serviço de Cuidados Continuados, quer em regime de internamento, quer em apoio domiciliário, uma decisão médica e não uma opção particular dos utentes, esse tratamento deverá ser assegurado pelo Serviço Nacional de Saúde.” A deputada do PCP comprometeu-se a fazer levar as reivindicações e preocupações à AR.

20180522 Encontro com utentes extensão de saúde de adémia

A deputada do PCP reuniu também com a população da Adémia tendo como pano de fundo a reabertura em Junho da extensão de saúde. Num encontro com dezenas de populares, a deputada do PCP ouviu as preocupações da população no que concerne às condições da reabertura. Os populares e a Comissão de Utentes denunciaram a reabertura "à experiência" até Dezembro e a tentativa de que pelas condições impostas seja de facto uma reabertura esporádica. A delegação do PCP exortou a população para continuar a luta no sentido de exigir que a reabertura seja efectiva, em todos os dias úteis da semana (e não só em 2 como é proposto), sem prazo de encerramento e com todas as condições logísticas e de pessoal. Os utentes denunciaram ainda as condições do centro de saúde de Fernão Magalhães em contraponto até com as condições físicas da extensão que agora reabrirá.

O PCP tem vindo a alertar para que todos os dias os utentes do Serviço Nacional de Saúde e os seus profissionais estão confrontados com as consequências gravosas de décadas de política de direita levada a cabo por PS, PSD e CDS e que o Governo do PS tarda em romper. Consciente de que a situação do SNS necessita de respostas imediatas, de que exige a ruptura com a política de direita e a adopção de uma política alternativa, o PCP apresentou um Plano de Emergência para o Serviço Nacional de Saúde que contempla o reforço de investimento para a requalificação e construção de centros de saúde e hospitais, substituição e renovação de equipamentos e alargamento de valências nos cuidados de saúde primários; a contratação de profissionais de todas as categorias dando-lhes condições de trabalho, repondo direitos e valorizando as carreiras; atribuir médico de família e enfermeiros de família a todos os utentes; reduzir os tempos de espera para consultas e cirurgias; reverter as PPP e assegurar a gestão pública dos hospitais actualmente em gestão PPP, revogar as taxas moderadoras e garantir o transporte de doentes não urgentes.

20180305 97 aniversário do PCP

 

20180100 mupi obra hidroagrícola do mondego

 

20180100 Breve Curso da História do Capitalismo

 

20180203 jantar regional com jerónimo de sousa

 

20170210_ramal_da_lous_cumpra-se_o_aprovado.png

20170100_mupi_mais_direitos_mais_futuro_nao_precariedade_1.jpg

20170100_mupi_mais_direitos_mais_futuro_nao_precariedade_2.jpg

20160910_universidade_fundao.jpg