joomla templates top joomla templates template joomla

mupi.jpgO Vereador da CDU pronunciou-se, na última reunião do executivo camarário de Coimbra, contra a proposta apresentada pela maioria PSD, de deliberação no sentido da manifestação de interesse do Município na proposta de fusão entre a SIMLIS e a ÁGUAS DO MONDEGO SA (empresas que na região gerem em “alta” a água e o saneamento, ou seja, captam e tratam a água que fornecem aos municípios e recebem e tratam as águas residuais) e ainda sobre a proposta de remeter às ÁGUAS DO MONDEGO a manifestação do interesse do Município em aprofundar a parceria para as “baixas” (ou seja, ao nível da rede de distribuição de água e da recolha das águas residuais aos munícipes).

Perante o proposto, o Vereador da CDU expressou que se opõe a toda e qualquer proposta ou medida que facilite ou potencialize a privatização dos serviços de água e saneamento.

A CDU é frontalmente contra as fusões do sistema de água e saneamento em “Alta” e as parcerias ou fusões da actual empresa municipal, Águas de Coimbra, com outras empresas doutros municípios, já que:

· estas “parcerias/fusões” tenderão, por um lado, a provocar o aumento das tarifas da água e do saneamento;

· Coimbra, tendo já hoje uma cobertura de redes de água e saneamento quase universal, não necessitará de investimentos de envergadura tal que não possam ser suportados pelas suas próprias receitas de água e saneamento. Logo, o interesse na “parceria” será apenas o de subsidiar os sistemas em “alta” e a construção/exploração de redes noutros concelhos, com coberturas bastante inferiores.

A fusão da ÁGUAS DO MONDEGO com a SIMLIS é, assim, negativa para Coimbra, já que apenas fará diluir os custos insuportáveis de gestão e dos sistemas, provavelmente inadequados, da SIMLIS.

Neste negócio, a CMC dificilmente ficaria a ganhar, sendo certo que, pelo contrário, a ÁGUAS DE PORTUGAL (AdP) reforçaria de facto imenso a sua capacidade de decisão, atendendo a que, já hoje, dos prejuízos da SIMLIS, 70,16% cabem à AdP e dos lucros das ÁGUAS DO MONDEGO, 51% beneficiam a AdP!

Para além disso, a CMC aliena, por esta via das fusões/parcerias, infraestruras relevantes e solo que foi expropriado e que constituiriam capital das novas empresas SA. A CMC perde assim competências nos serviços de água, ficando sujeita à AdP e à ERSAR, entidade reguladora, a quem pagará e que, além do mais, ainda que não tendo autoridade sobre o Poder Local, o tem sobre as empresas. Com a fusão/parcerias a Câmara perde então o controlo sobre a política tarifária, ficando com um controlo reduzido ou nulo sobre custos de investimento/exploração/manutenção e sobre

os lucros e rendimentos de capital de terceiros. Para além disso, todos os serviços municipais – escritórios, fontanários públicos, lares, centros de dia, balneários, lavadouros, centros de saúde, bombas de incêndio, etc, etc – tornar-se-iam “clientes” das novas empresas, em geral clientes “não domésticos” sujeitos a tarifas elevadas, acrescendo significativamente os encargos da autarquia.

Finalmente, as parcerias com a AdP não asseguram de forma alguma que os serviços fiquem “em mãos públicas”, pois,

· Por um lado, a AdP é uma SA de direito privado, com vista ao lucro, e nem sequer os capitais são inteiramente públicos (por ex. a EDP, privada, é accionista); por outro lado, a AdP tem vindo a privatizar empresas do grupo, nomeadamente “em baixa”.

· As práticas da administração da AdP deixam muito a desejar em matéria de controlo de custos, tendendo para sistemas desnecessariamente caros de águas e saneamento, celebração de contratos leoninos com as Câmaras, remunerações astronómicas a uma quantidade de administradores, assessores e políticos na prateleira, assim como aventuras ultramarinas, propaganda e muitas outras despesas – a aquisição de frota de veículos topo de gama, por exemplo - que afectam aos “clientes”.

O Vereador Francisco Queirós recordou ainda, a título de exemplo, o caso da Figueira da Foz:

· O município da Figueira da Foz entregou à AdP os serviços de águas e esgotos “em alta” e “em baixa”.

· Depois, a AdP privatizou a Aquapor, que detinha as “Águas da Figueira SA” (baixa), não sem antes disso aumentar os tarifários e contrair uma série de “empréstimos”, cujos juros e rendimentos de capital continuam a ser pagos pelos munícipes!

O Vereador da CDU acrescentou ainda que as fusões/parcerias têm custos para os trabalhadores.

A decorrer a fusão não é garantido que os trabalhadores se mantenham no mapa de pessoal anualmente aprovado pela autarquia, pois só desse modo se poderá assegurar o regresso à Autarquia. Em caso de fusão/parcerias seria necessário garantir a celebração de um acordo tripartido de Cedência por Interesse Público entre Autarquia, Empresa e Trabalhador, de acordo com o artigo 58º da Lei 12-A/2008.

Deste modo, por todo o exposto, o Vereador da CDU votou CONTRA a proposta da maioria, tendo apresentado declaração de voto e recordado que, A água é um bem essencial á vida, não é e não pode ser um negócio. Tem de ser pública e colocada ao serviço de todos os munícipes!

20180305 97 aniversário do PCP

 

20180100 mupi obra hidroagrícola do mondego

 

20180100 Breve Curso da História do Capitalismo

 

20180203 jantar regional com jerónimo de sousa

 

20170210_ramal_da_lous_cumpra-se_o_aprovado.png

20170100_mupi_mais_direitos_mais_futuro_nao_precariedade_1.jpg

20170100_mupi_mais_direitos_mais_futuro_nao_precariedade_2.jpg

20160910_universidade_fundao.jpg