joomla templates top joomla templates template joomla
arroz.jpgPortugal produz cerca de 150 mil toneladas de arroz, ou seja, metade do que consome (300 mil toneladas).  A produção de arroz carolino do Baixo Mondego é de excelente qualidade.
Apesar de precisarmos de produzir mais para responder ao consumo interno, o Governo do PS não toma as medidas necessárias para defender a produção nacional.

 

Hipermercados e Especuladores
Forçam descida de 50% nos preços do Arroz num ano

Em 2008 o preço à produção era cerca de 40 cêntimos/Kg . No ano passado os produtores receberam entre 15 e 23 cêntimos/Kg. A indústria alegou que esta baixa se deveu à pressão dos hipermercados. A  ASAE na sua acção fiscalizadora detectou hipermercados a praticarem dumping, ou seja, o arroz a ser transaccionado abaixo do preço de custo. O governo PS, nada fez. Os industriais, à boleia destas práticas ilegais, apresentam propostas inaceitáveis, de baixos preços à produção.
É tempo do Governo actuar, penalizando quem pratica dumping, e de intervir  para que sejam praticados preços justos à produção, garantido o escoamento da produção nacional.

É preciso - Emparcelamento Agrícola  em todos os vales

É inaceitável que o processo de Emparcelamento Agrícola não contemple ainda todos os vales. O projecto hidroagrícola que abrange 19 blocos de rega, cerca de 12.500 hectares, ainda só contempla nove.
É urgente que seja garantido aos produtores que se encontram nos vales secundários onde ainda não se realizou o Emparcelamento Agrícola, que sejam praticadas taxas de rega adequadas a  esta situação.
É urgente que o Governo considere os apoios à electricidade verde na secagem do arroz.

O que se passa com as terras que o Estado detém no Baixo Mondego?

O Estado detinha uma área significativa de terras no Baixo Mondego administrada pela DRAPC, que poderia e deveria utilizar em prol do desenvolvimento agrícola desta região. O PCP vai questionar o Governo acerca da dimensão e do actual aproveitamento deste importante património fundiário.

É preciso - Finalizar as Obras Hidroagrícolas
em todos os vales secundários do Mondego

Os Ministros da Agricultura, vão afirmando, ano após ano, que há dinheiro para as Obras. Agora, o actual ministro do PS, promete que elas vão arrancar na Margem Esquerda do Mondego, no Campo do Bolão e no perímetro de Maiorca. Então os vales do Pranto, do Arunca e do Ega, que abrangem cerca de 2 500 hectares, vão ficar de fora?
É essencial para o desenvolvimento agrícola da região, da economia do País;  para reduzir a nossa dependência agroalimentar. É um escândalo, que uma obra que começou há cerca de 30 anos, se arraste sem fim à vista. 

Basta de Promessas dos sucessivos Governos!

É tempo de o Governo PS passar à acção, tomando as medidas necessárias de apoio aos nossos orizicultores, à economia da região e do País. Os agricultores do Baixo Mondego podem contar com o PCP na luta pela defesa das suas justas reivindicações.

20180305 97 aniversário do PCP

 

20180100 mupi obra hidroagrícola do mondego

 

20180100 Breve Curso da História do Capitalismo

 

20180203 jantar regional com jerónimo de sousa

 

20170210_ramal_da_lous_cumpra-se_o_aprovado.png

20170100_mupi_mais_direitos_mais_futuro_nao_precariedade_1.jpg

20170100_mupi_mais_direitos_mais_futuro_nao_precariedade_2.jpg

20160910_universidade_fundao.jpg